“Estou satisfeita com a minha vida”, diz Angélica

by

Angélica hoje comanda o 'Estrelas' e o 'Video Game', ambos da Globo Foto: Luiza Dantas/ Carta Z Notícias/TV Press

A vida corre tão bem para Angélica que a apresentadora assume que nem tem coragem de fazer pedidos para o ano que vem. Aos 36 anos, 23 deles dedicados à televisão, a loira não esconde a satisfação profissional e financeira. Além de estar no ar de segunda a sábado em dois programas da Globo – ela comanda o Vídeo Game, dentro do Vídeo Show, e o semanal Estrelas -, ela jura que sua rotina de trabalho permite que não se afaste do marido Luciano Huck e dos filhos Joaquim e Benício.

Por isso, não tem aspirações de fazer seu Estrelas crescer na grade da emissora. “Se eu quiser me dedicar à família, sei que posso. Fiquei trabalhando em Angra por uma semana e levei os meninos. Na quinta-feira, pegamos um helicóptero e fomos para casa. Vi televisão, fiz minha drenagem linfática e dormi em casa. Acordei, levei meu filho à escola e voltei para Angra de helicóptero, para continuar gravando”, descreve, com naturalidade.

A apresentadora só tem uma queixa a respeito de seu programa: como entra na grade em um horário optativo, em alguns estados ele é substituído por programação local. “Uma vez eu fui gravar em Salvador e uma menina perguntou se era um Vídeo Game especial. Só depois entendi que ela nem sabia o que era o Estrelas“, lamenta.

Você é uma celebridade e comanda um programa na Globo que se propõe a mostrar os famosos em sua vida pessoal. Como você lida com essa situação, já que a maioria dos artistas jura tentar preservar a intimidade?
A gente entra um pouco nas questões pessoais dos convidados, mas elas ficam livres para falarem ou não falarem sobre o que quiserem. Esse é o meu papel: deixar as pessoas naturais, dar segurança para que falem coisas que não falariam em outros lugares, mas sempre com o maior respeito. Você disse bem, eu também estou do outro lado, fica complicado. Por isso mesmo a gente deixa uma proposta aberta, alguns convidados sugerem uma pauta da qual gostariam de participar, a gente vai levando. Mas é óbvio que falamos do mundo das estrelas e as pessoas de casa querem ver, saber mais sobre elas.

Você já recebeu críticas por fazer um programa assim sendo famosa também?
Acho que o meu programa funciona como determinadas revistas que fazem matérias produzidas. Por exemplo, com alguém surfando. Mas a nossa diferença é que aqui rola movimento, temos um cuidado maior. Não é parar e fazer fotos. Nesses quatro anos que vamos fazer no ar, começamos com todo mundo meio “o que é isso? Vou participar?”, mas hoje os convidados já ficam mais relaxados. E o nosso programa depende disso. Não é como o Caldeirão do Huck, que depende do público. A gente depende do artista mesmo, das estrelas.

Você precisa de um cuidado maior, já que lida o tempo todo com o ego dos seus próprios colegas. Já se acostumou com isso?
Acho que é um dos meus papéis e,coincidentemente, uma coisa que sempre soube fazer. Tenho sensibilidade para captar a energia do outro e entender o que ele quer. Não adianta chegar ali preparada, engessada, seja como uma estrela também ou com uma pauta, porque tudo pode mudar. Depende do humor da pessoa, do quanto está aberta, de muitas coisas. Às vezes, não rende como achei. Em outras, rende muito mais. Mas, na maioria das vezes, dá certo. Não peço nada além do que os convidados querem ou podem fazer.

É difícil encontrar um limite entre o que é invasivo aos convidados e o que pode deixar o programa com cara institucional, apenas levantando a imagem dos artistas da própria Globo?
Quase todos os convidados são da emissora, isso é um fato. A gente já fez matérias para mostrar o lado humano de algumas pessoas e, às vezes, fica um pouco duro. Mas, de alguma forma, os convidados ficam à vontade ali e rola algo a mais. São muitos anos que já tenho no outro lado. Fica meio no automático, eu já imagino o que as pessoas estão sentindo ali. Há 23 anos trabalho na tevê. Quando passo de entrevistada a entrevistadora, na maioria das vezes, já sei até onde aquela pessoa vai gostar que eu chegue, até onde ela vai deixar que eu chegue. Posso até tentar forçar uma barra em determinadas situações, mas prefiro não fazer. Porque sei como é estar do outro lado. Tem horas que chega uma pergunta no roteiro que não faço, não me sinto confortável. Até porque o roteiro é feito por jornalistas.

E como ficam as entrevistas?
Não tem jeito. Fico presa mesmo à Globo. Mas lido bem com isso porque não sou jornalista, então o clima é meio de papo de colegas mesmo. Não tenho a obrigação de conseguir um furo de reportagem. Nem de escrever uma matéria para uma revista. Tenho uma equipe maravilhosa produzindo o roteiro, outra fazendo os cenários, meu trabalho é bem mais leve que o de um jornalista.

Você completou 36 anos e já tem mais de 20 de carreira. Como lida com essa passagem do tempo?
Muito bem. Isso tudo me dá uma história e uma tranquilidade para, hoje em dia, não ter vaidade. Posso dividir meu tempo com outras estrelas, deixar que elas falem e me divertir com isso. Me sinto em casa e não preciso ter pretensões para crescer. Estou satisfeita com a minha vida. Hoje tenho uma tranquilidade em relação ao que eu sei fazer e ao que eu gosto de fazer. É um privilégio chegar aos 36 anos com essa tranquilidade profissional e financeira. Se quiser me dedicar à família, sei que posso. Fiquei trabalhando em Angra por uma semana e, na quinta-feira, fui dormir em casa com meus filhos. Acordei, levei para a escola e voltei de helicóptero, para continuar gravando. E faço essas coisas mesmo, meu programa me permite. Por isso não fico com ansiedade para ver o Estrelas crescer mais. Consigo conciliar bem os meus filhos com o trabalho e isso me alivia. O programa tem o tamanho exato que deveria ter.

O que você espera do Estrelas em 2010? Alguma mudança prevista ou algo que você quisesse tirar ou incluir?
Devemos colocar dramaturgia. Surgiu a ideia de não só falar com os convidados, mas de contracenar também. Já fiz muito isso no Vídeo Show e na Manchete, acho que é uma marca minha e que pode dar certo. E não tenho feito tanto. Tudo dentro do clima com a celebridade. E muitos fãs mandam mensagens dizendo que o programa não passa nas cidades deles. Em Salvador mesmo, quando gravamos lá, uma menina chegou e perguntou se eu estava gravando o Vídeo Game. Na hora eu não entendi, mas depois percebi que aquilo era porque o programa não é exibido na Bahia. Isso é algo que eu gostaria: que o Estrelas passasse em todos os lugares.

Estrelas – Globo – Sábado, às 13:40 h.
Vídeo Show – Globo – Segunda a sexta, às 13:45 h.

Clima de verão
Às vésperas do fim do ano, Angélica se prepara para curtir férias de 40 dias com o marido e seus dois filhos. Mas, para isso, a apresentadora passou cerca de 10 dias em Angra dos Reis, gravando cinco programas Estrelas para serem exibidos enquanto estiver fora e, depois, quando for gravar os da nova temporada.

Para isso, a loura aproveitou convidados que já foram entrevistados por ela em edições anteriores e, assim, garantir um clima de descontração para o período. “É muito bom sair da rotina, seja no trabalho, na vida pessoal e até em outros sentidos. Para nós é proveitoso, já dá um ar de férias mesmo às matérias”, opina ela, que usou como locação o confortável Hotel Portobello Resort & Safari.

Além de bater papo com os convidados, Angélica aproveitou passeios de barco, jogos de frescobol e corridas na areia da praia e até uma receita de salada preparada pelo cantor Lulu Santos. Além dele, participaram também das gravações os atores Eri Johnson e as atrizes Nívea Stelmann e Juliana Knust, três grandes amigos da apresentadora. “Isso é até melhor, porque acaba tendo uma intimidade maior entre os convidados e eu. O público percebe isso”, explica.

Só na curtição
Mesmo querendo contracenar com seus convidados na temporada de 2010 do Estrelas, Angélica garante que não tem a menor pretensão de voltar a atuar como atriz. Isso porque não tem preparo e, muito menos, paciência para aguentar o lado ruim do ofício. “É uma delícia atuar, mas é uma ralação. Tem essa coisa de esperar muito tempo para gravar. Tenho problemas com isso. Gaiatice, eu faço”, assume.

Noveleira assumida, ela também parece não se conformar com as críticas que atores e atrizes algumas vezes recebem por conta de algum papel. “Vai fazer cenas como as que a Alinne Moraes fez para Viver a Vida, depois do acidente de ônibus! E as da Taís Araújo? E ainda por cima, no final, você só leva críticas”, reclama.

Trajetória televisiva
Avenida Paulista (Globo, 1982) – Anamaria (quando criança).
Nave da Fantasia (Manchete, 1986) – apresentadora.
Clube da Criança (Manchete, 1988 a 1993) – apresentadora.
Milk Shake (Manchete, 1988 a 1993) – apresentadora.
O Guarani (Manchete, 1991) – Cecília.
Casa da Angélica (SBT, 1993 a 1996) – apresentadora.
Passa ou Repassa (SBT, 1995) – apresentadora.
TV Animal (SBT, 1995) – apresentadora.
Angel Mix (Globo, 1996 a 2000) – apresentadora.
Caça-Talentos (Globo, 1997 a 1999) – Fada Bela.
Flora Encantada (Globo, 1999) – Flora.
Bambuluá (Globo, 2000) – Angélica.
Vídeo Game (Globo, desde 2001) – apresentadora.
Estrelas (Globo, desde 2006) – apresentadora.

O Dia

Anúncios

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: